Archive for janeiro \05\UTC 2008

Melhores discos do Ano

janeiro 5, 2008

 

Não foi uma escolha fácil, principalmente a dos discos nacionais. Embaixo dos cinco primeiros nacionais e internacionais, a lista daqueles que ficaram de fora dos melhores, mas se destacaram em 2007. Durante a semana posto a lista das melhores músicas. Clique na capa dos álbuns para baixá-los.

NACIONAL

 

daqui_pro_futuro.jpg

Pato Fu – Daqui Pro Futuro – É o disco mais melódico da banda, deixando de lado os arranjos eletrônicos esquisitos dos primeiros álbuns para criar músicas mais orgânicas, todas cantaroláveis ao violão. Tem mais unidade do que o anterior, Toda Cura Para Todo Mal, que já indicava o caminho de um Pato Fu amadurecido. Cantando mais à vontade do que nunca, Fernanda Takai prova de uma vez por todas ser uma das grandes cantoras brasileiras.
Ouça: Tudo Vai Ficar Bem e A Verdade Sobre o Tempo

 

capa_novo_cd_charme_chulo_300.jpg

Charme Chulo – Charme Chulo – A mistura inusitada de viola caipira com o pós-punk inglês funciona muito bem no primeiro disco dos curitibanos. Uma das provas de que ousadia tem lugar no rock brasileiro.
Ouça: Apaixonante na Tristeza e Polaca Azeda

 

violins.jpg

Violins – Tribunal Surdo – O disco vem mais pesado do que o anterior, Grandes Infiéis, que já era uma porrada, além de trazer letras mais ácidas e diretas do que nunca, o que rendeu inclusive uma denúncia ao Ministério Público por incitação à violência e ao racismo. Os goianos criaram mais uma obra sólida em torno de um contexto, com a melhor música do ano, Grupo de Extermínio de Aberrações, e um som pulsante, que dá fôlego para o novo lançamento do grupo, Redenção dos Corpos, que deve vir em março.
Ouça: Grupo de Extermínio de Aberrações e Delinqüentes Belos

 

finocoletivo.jpg

Fino Coletivo – Fino Coletivo – O catarinense radicado em Alagoas Wado já vinha entortando o samba em seus bons álbuns anteriores, com destaque para A Farsa do Samba Nublado. Reunido com alguns amigos, o resultado é um álbum com inteligência, ritmo e uma musicalidade impressionante. Não deixa nada a dever nas músicas mais dançantes (Boa Hora) nem em baladas (a ótima Poema de Maria Rosa, regravada do disco Cinema Auditivo, de Wado).
Ouça: Poema de Maria Rosa e Dragão

 

terminal.jpg

Terminal Guadalupe – A Marcha dos Invisíveis – O melhor som de guitarra do rock brasileiro em 2007 está neste disco. Investindo no rock político, a banda alcançou projeção nacional em veículos como a Veja e Folha de São Paulo e já começa a fazer planos para expandir território em 2008.
Ouça: Atalho Clichê e De Turim a Acapulco 

INTERNACIONAL

 

baby81.jpg


Black Rebel Motorcycle Club – Baby 81 – Eles uniram a porrada dos dois primeiros discos ao folk e melodias do anterior, Howl. E fizeram o melhor e mais equilibrado disco da carreira.
Ouça: All Yout do Is Talk e Weapon of Choice

 

ourearthlypleasures.jpg

Maximo Park – Our Eartly Pleasures – O grande representante das bandas influenciadas diretamente pelos anos 80 de 2007. O disco abre com energia e potencial dançante, principalmente em Our Velocity e suas diversas mudanças de andamento, e vai ficando cada vez mais melódico, até descambar na sentimental Parisian Skies, faixa que fecha o álbum. Destaque para o aproveitamento de acordes completos nas músicas, não apenas ancoradas em riffs.
Ouça: Karaokê Plays e Parisian Skies

 

sky-blue-sky.jpg

Wilco – Sky Blue Sky – Quando saiu, muitos apontaram como o melhor disco do ano. Depois de algumas ouvidas a poeira foi baixando e o álbum já não ia empolgando tanto. Mas o certo é que ao voltar a sonoridade ao início da banda, Jeff Tweedy fez um ótimo disco de alt-country, com belos toques de folk e as já conhecidas melodias açucaradas prontas para serem assobiadas. O resultado bate de longe os cultuados primeiros álbuns, mas sem chegar perto do clássico maior da banda, Yankee Hotel Foxtrot.
Ouça: Impossible
Germany e On And On And On

 

era-vulgaris.jpg

Queens of the Stone Age – Era Vulgaris – Minha história com o disco é um pouco engraçada. Assim que Era Vulgaris caiu na Internet eu corri baixar. Escutei o disco e achei pesado pra caramba, bem difícil de escutar. Lembro que uma semana depois estava em São Paulo almoçando com o Mac e a Juliana Zambelo e o Mac comentava que tinha achado o disco difícil também. Só que eu tinha baixado o disco errado, tanto que as letras que apareciam no meu Winamp não batiam com o Josh Homme cantava. Envolvido na correria do TCC no segundo semestre, só fui escutar o disco correto com calma em dezembro. E joguei por terra toda aquela teoria de peso e dificuldade dele. Um dos melhores discos da banda.
Ouça: 3’s & 7’s e Make Wit Chu

 

magic.jpg

Bruce Springsteen – Magic – Apenas o riff de guitarra da primeira música deste disco (Radio Nowhere) já seria suficiente para colocá-lo entre os cinco melhores do ano. Mas ele tem muito mais, tem The Boss no melhor de sua forma, tocando o que sabe melhor: rocks básicos carregados de emoção. Destaque também para Long Walk Home.
Ouça: Livin in the Future e Radio Nowhere

 

OS QUE FICARAM DE FORA

 

Ecos Falsos – Descartável Longa Vida

Ludov – Disco Paralelo

Vanguart – Vanguart

Los Porongas – Los Porongas

Superguidis – A Amarga Sinfonia do Superstar

Cachorro Grande – Todos os Tempos

Autoramas – Teletransporte

Orquestra Imperial – Carnaval Só Ano Que Vem

Graforréia Xilarmônica – Ao Vivo

Nação Zumbi – Fome de Tudo

Bonde do Rolê – With Lasers

Josh Rouse – Country Mouse City House

Arcade Fire – Neon Bible

Radiohead – In Rainbows

Beirut – The Flying Club Cup

Arctic Monkeys – Favourite Worst Nightmare

Idlewild – Make a New World

Paul McCartney – Memory Almost Full

Modest Mouse – We Were Dead Before the Ship Even Sank

The Shins – Wincing the Night Away

Feist – The Reminder

LCD Soundsystem – Sounds of Silver

White Stripes – Icky Thump

Klaxons – Myths of the Near Future

Rufus Wainwright – Release the Stars

Grant Lee Phillips – Strangelet

Manic Street Preachers – Send Away the Tigers